#05 Salazar, Deus e estranhezas.

Nunca antes, após as revoluções feministas ocorridas no século XX, foram debatidasResultado de imagem para marido e outros contos tantas questões acerca da posição da mulher no mundo dentro de obras literárias. Obviamente que figuras ilustres já haviam se atentado para essa questão em séculos passados, tais como Jane Austen e Beatriz Francisca de Assis Brandão, mulheres que se destacaram pelo simples fato de se alfabetizarem e entrarem no campo literário, sendo este majoritariamente dominado por homens. Entretanto, o debate feminista e em denúncia ao machismo ganhou e vem ganhando força, não apenas na nossa sociedade contemporânea, mas também em vários outros países do mundo.

Como um excelente exemplo da representação do machismo na literatura contemporânea, temos o conto ‘Marido’, presente na obra “Marido e outros contos”, publicada em 1998 pela Publicações Dom Quixote, da algarvia Lídia Jorge. Nessa narrativa, a autora descreve o cotidiano de Lúcia, uma porteira de um prédio que sofre abusos do marido alcoólatra. Continuar lendo

#04 Escrevivência: a sobrevivência por meio do narrar.

    Conceição Evaristo, autora negra, mineira e uma das grandes vozes da literatura brasileira contemporânea, já disse em várias entrevistas sobre sua experiência de vida e como escritora que o contar histórias faz parte de sua sobrevivência, pois deixa a realidade mais suportável. Isso é chamado por ela de “escrevivência”, termo muito citado durante os eventos que é convidada a participar e que se encaixa muito bem na obra “Ponciá Vicêncio”, seu primeiro romance. Resultado de imagem para ponciá vicêncio

O romance, de 2003, é confuso. Não por causa de uma linguagem densa e rebuscada, mas sim porque a narração se dá em diferentes instâncias de tempo. O narrador acompanha a trajetória de Ponciá Vicêncio, mulher negra e descendente de escravos que sai do interior em busca de melhores condições na cidade grande, uma cidade simbólica e nunca nomeada na narrativa. Continuar lendo

#03 Pequena resenha sobre “Contos Negreiros”, de Marcelino Freire.

Contos negreiros

Vencedor do prêmio Jabuti na categoria ‘Contos’, no ano de 2005, Contos Negreiros foi meu primeiro contato com esse autor contemporâneo. O que temos aqui é uma coletânea de pequenos contos que tentam transmitir, por meio de poucas palavras, aquilo que já foi dito antes, mas que ainda assim precisa continuar sendo dito. Marcelino Freire tenta, então, dar voz a quem supostamente não tem, falando sobre racismo, homossexualidade, analfabetismo, violência, amor, sonhos, esperança, etc. Continuar lendo

#02 Um romance policial à distância.

Já há algum tempo estou me debruçando sobre a literatura policial, não da forma como eu gostaria, mas pode-se dizer que venho lendo romances

20170303_091601policiais com mais frequência do que antigamente. É curioso como às vezes deixamos de apreciar coisas que gostamos sem nenhum motivo aparente, pois eu sempre adorei estórias de cunho investigativo, mas só estou lendo-as com mais frequência nesses últimos meses. Pesquisando sobre autores policiais, acabei conhecendo Georges Simenon, autor belga do início do século XX e que escreveu MUITOS romances, sendo os mais famosos os que ele traz como protagonista seu detetive, o Comissário Jules Maigret.

Em Maigret se diverte, o detetive está de férias por ordens do seu médico, mas um crime intrigante ocorre em Paris (que envolve uma mulher rica encontrada morta e nua, cujo corpo está dobrado e foi colocado dentro de um guarda-roupa)

Continuar lendo

#01 Os efeitos do primeiro contato com Adélia Prado ou Resenha: Os Componentes da Banda.

20170303_091317Finalmente, após anos de protelamento, peguei para ler algo de Adélia Prado e o que eu encontrei em ‘Os componentes da banda’ foi pura manifestação de poesia em prosa. Nesse livro, temos uma narradora que lembra de sua infância e adolescência, refletindo sobre como sua vida era no passado e o que ela se transformou no presente. Além disso, a narradora, que compõe músicas, mostra ao leitor os componentes de sua banda, a banda que fez parte de sua vida e que agora canta para ela em meio a suas memórias. Aos poucos, conheceremos as avós, os tios, os irmãos, os pais e os amigos que estiveram presentes no passado da narradora, sendo que todas essas lembranças são mostradas com um sentimento de saudade tocante e emocionante. Continuar lendo